Notícias Como os fenômenos climáticos afetam a qualidade do blueberry

As últimas temporadas de blueberry no Chile foram caracterizadas pela ocorrência de uma série de eventos climáticos que determinaram a qualidade da fruta durante o armazenamento.

O PortalFruticola.com conversou com Bruno Defilippi, pesquisador e expert na pós-colheita do Instituto de Pesquisas Agropecuárias (INIA), que explicou como o clima condiciona a qualidade do blueberry.

Por um lado, está a ocorrência de chuvas em etapas chaves do desenvolvimento da fruta – que podem ser consideradas comuns na produção do blueberry – que ocasionaram uma incidência importante de podridão nas etapas de armazenamento e no envio a mercados distantes.

Por outro lado, as altas temperaturas durante a última temporada tiveram o efeito de adiantar ou concentrar as colheitas, afetando aspectos chaves na qualidade do blueberry, como a firmeza da fruta.

A presença de uma maior temperatura em algumas localidades determinou um maior avanço no desenvolvimento de algumas variedades, implicando na necessidade de uma maior frequência de colheita com o objetivo de ter fruta com boa cor e boa consistência de polpa.

Entretanto, por motivos de disponibilidade de mão-de-obra, a fruta proveniente da segunda ou terceira colheita apresentou um estado avançado na maturação afetando a qualidade da matéria prima.

Lamentavelmente, ainda se desconhece as variáveis que determinam, a nível de campo, a produção de uma fruta de qualidade com potencial de armazenamento, e também não é factível prever uma temporada em termos de qualidade.

Como enfrentar a temporada?

  • Para o controle de doenças, o mais importante e efetivo é seguir programas adequando de controle de fungos. Isto é importante pois, além da gaseificação com dióxido de enxofre, o qual está restringido para alguns mercados, não existem medidas adequadas para complementar o controle de podridão na pós-colheita. Outras tecnologias como atmosfera modificada (AM) e controlada (AC) não tem efeito importante no controle de fungos, ou, no mais, um efeito fungistático dependendo dos níveis de gases utilizados, requerendo, no caso de AC, níveis ao redor de 12%.
  • Desenvolvendo índices de colheita no qual se relaciona o desenvolvimento de cor com a consistência da polpa ou firmeza da fruta. Este acompanhado de uma boa caracterização da matéria prima e desenvolvendo ferramentas que permitam segregar por qualidade e potencial de armazenamento.

Similar a outras frutas, estudar a possibilidade técnica e econômica para a implementação de coberturas em zonas de alto risco de chuva. Isso pensando principalmente no controle de microclima, protegendo a fruta de chuvas e também otimizando os momentos de colheita.

Fonte: Portal Fruticola


Categorias:

Internacional | Produção

Exibir comentários +

Deixe um comentário

O seu email não será publicado. Os campos obrigatórios são identificados.
Todos os comentários do site são moderados previamente. Se o seu comentário ainda não foi publicado, por favor, aguarde.