Notícias A demanda por blueberries frescos triplica

De acordo com um relatório recente do Rabobank, a demanda por blueberries frescos triplicou nos últimos 10 anos, com os consumidores buscando maneiras mais convenientes de comer frutas saudáveis.

Nesse relatório, Newcomers Reshaping the US Fresh Blueberry Market: What to Expect in 2019/2020 and Beyond, os números mostram que os blueberries frescos são uma das frutas mais dinâmicas em termos de crescimento de consumo, com crescimento anual composto (CAGR) de 12%.

A demanda do consumidor está superando a produção doméstica, que tem um CAGR de 7%, e isso significa que as importações para os EUA estão aumentando a um CAGR de quase 15%.

De acordo com o analista sênior do Rabobank e autor do relatório, David Magaña, essa ascensão da demanda doméstica está abaixo do benefício saudável que apresenta o blueberry.

As berries são vistas como um snack saudável que não precisa descascar nem preparar, e são muito fáceis de serem adicionadas em uma refeição ou bebida como cereais, panquecas e smoothies.

A maioria dos americanos ainda não consomem a recomendação diária de frutas frescas e vegetais, entretanto, em um recente relatório 2019 Power of Produce descobriu que 97% das famílias estão tentando comer mais produtos frescos.

Fornecimento estável

Os consumidores americanos também estão se beneficiando de um fornecimento estável, isto é, os altos preços quando estão fora da estação são coisa do passado, de acordo com o relatório do Rabobank.

Quando fora de época nos EUA, as importações dos países da América do Sul, como México, Peru e Chile, ajudam a reduzir a flutuação de preços. O Rabobank espera que os preços estarão 20% mais baixos até o final do ano, comparado com a média de preços durante o mesmo período em 2014-18.

“Os blueberries não são somente uma fruta de verão”, confirmou Victoria de Bruin, gerente de marketing do U.S. Highbush Blueberry Council.

Blueberries processados

Os fabricantes, sejam eles pequenas start-ups ou gigantes no mercado, também estão adicionando blueberries desidratados, liofilizados e purês em produtos alimentícios processados, sejam eles produtos lácteos, de panificação e bebidas.

Ano passado, por exemplo, a empresa Muuna lançou um queijo cottage proteico sabor blueberry; a marca de bebidas artesanais Bambucha lançou uma kombucha de blueberry com notas ácidas. Esse ano, a General Mills lançou o cereal integral Cheerios usando saborizantes naturais e purê de blueberry.

De acordo com de Bruin, essa superfruta combina muito bem em produtos “snackfection” – uma nova categoria de produtos híbridos que combina doces e snacks, misturando doçura, salgado e textura usando ingredientes como o chocolate, fruta, nuts e sementes.

“Os blueberries já estão dentro de nossas casas nos alimentos processados, adicionando saudabilidade em produtos como snacks e de panificação”, disse deBruin ao FoodNavigator-USA. “Eles ajudam a criar uma ponte no espaço que existe entre o saudável e o indulgente, fornecendo aos consumidores um snack acessível e inteligente e ao mesmo tempo prazeroso.

“Um ótimo exemplo é o chocolate barkTHINS’ que combina chocolate amargo com blueberry desidratado e quinoa”, afirma.

Fonte: FoodNavigator-USA


Categorias:

Estados Unidos | Internacional

Exibir comentários +

Deixe um comentário

O seu email não será publicado. Os campos obrigatórios são identificados.
Todos os comentários do site são moderados previamente. Se o seu comentário ainda não foi publicado, por favor, aguarde.